Pesquisar

Postado em: 2 setembro , 2011

Compartilhe com:

1- Na sua opinião, por que jovens artistas ainda têm interesse em participar de salões?

Os salões dentro da configuração de edital aberto para artistas de todo o Brasil e mundo, sem restrições em relação às linguagens, formato, idade ou experiência expositiva, talvez seja a forma mais simples e democrática que temos hoje para um artista olhar o trabalho em um espaço expositivo e receber análises e criticas de pessoas externas. Acredito que esta seja a parte mais importante das exposições, sendo assim, os salões poderiam investir mais na conversa entre artistas e críticos. O museu de arte de Ribeirão Preto, por exemplo, nos dias seguintes das aberturas de todas as exposições organiza um bate-papo aberto com os artistas, críticos e publico para discutir os trabalhos.
Apesar desta possibilidade simples dos salões, hoje vivemos um problema sério em relação ao excesso de editais e competições de arte. Um dos problemas deste excesso de editais é a dependência dos artistas em relação aos salões para apresentar seu trabalho e ter algum retorno de outros artistas e críticos. Talvez os espaços mais independentes de arte não tenham mais uma configuração de importância no olhar dos críticos e dos próprios artistas, e, ou então, alguns espaços que surgiram como independentes, hoje seguem as mesmas regras de editais e de seleção dos grandes salões. Existem galerias menores, tanto publicas quanto particulares, que deveriam receber mais atenção e interesse dos artistas para exporem, e um olhar mais interessado e atencioso dos críticos e curadores, que aparentemente se interessam apenas pelas exposições mais oficiais.

2- Qual a importância para você em colaborar com um projeto como Novíssimos? O que isso agrega (ou agregaria) para sua formação e para sua trajetória artística?

Essa exposição está sendo muito importante para mim, em relação à forma em que eu enxergava o meu trabalho antes e a forma que comecei a repensar minha produção. Este trabalho é do final do ano de 2010, e até a data de exposição (julho) eu havia criado uma pausa no meu trabalho por conta de uma mudança de ateliê. Foi muito importante dentro desta pausa ter a possibilidade de ver esse conjunto livre de tudo o que eu poderia imaginar antes. Livre das minhas idéias anteriores e do meu entendimento técnico de até então. Foi muito bom ouvir o Ivair e outros artistas como o Ivan e a Rebeca sobre minha obra. As galerias poderiam investir mais neste momento de conversa com os artistas e com os curadores, algo similar ao o que o MARP faz em Ribeirão Preto.

3- Como ficou sabendo das inscrições? Já conhecia o Salão ou a Galeria Ibeu?

Pela internet, nestes sites especializados em divulgação de editais.

4- De que modo o(s) trabalho(s) exposto(s) na Galeria pode(m) ser compreendido(s) em relação a sua produção, vista em conjunto?

O trabalho “X,+ e +” foi a última série de um conjunto grande de obras que desenvolvi no ano de 2010 com a técnica de serigrafia. Minha produção sempre foi muito voltada para as técnicas de gravuras planográficas, onde consigo juntar o pensamento do desenho e da pintura. Durante o ano de 2010 comecei a estudar a técnica de serigrafia com o desenho direto sobre o suporte matricial. O meu desejo desta descoberta técnica envolvia a fusão do meu pensamento pictórico, que muitas vezes não consegue se resolver na pintura, com o desenho. Estas séries que desenvolvi propunham construir uma qualidade de cor, de tinta, transparências em conjunto com o pensamento gráfico.
A série “X, + e +” foi o primeiro conjunto que funcionou com a pintura do touche sobre a tela para construir a matriz. Esse trabalho é baseado em um conjunto de desenhos que fiz no começo do ano de 2010, que envolvia a escrita (carimbos, máquina de escrever e caligrafia) em conjunto com símbolos, ícones, desenho e o preto como construção pictórica. Fiquei muito feliz por ver esse conjunto exposto, já que, diante dos outros trabalhos, ele resume todo o meu pensamento do ano. O preto, tanto como tinta, quanto mancha gráfica, os símbolos tanto quanto uma iconografia histórica da arte, quanto elementos de pura composição nas gravuras.
Hoje, após a exposição eu vejo outras questões nas gravuras que não compreendia. Comecei a entender mais o motivo de ter trabalhado ao longo do ano passado com a gravura e não com a pintura direta sobre o papel ou sobre a tela, e o porquê da não reprodução das gravuras.

5- Poderia falar um pouco sobre seu processo investigativo?

Meu trabalho se divide em diversas linguagens e construções de pensamento. Tenho uma produção com instalações e trabalhos com proposições sobre musica. Outras séries de livro de artistas, revistas-objetos, objetos multiplicável e como principal pesquisa o desenho e a gravura. Mas mesmo dentro desta variedade de linguagens, toda a minha produção envolve um desejo de formalização de uma idéia. Cada gravura, desenho ou projeto se forma como um fragmento de um processo de trabalho ainda não concluído.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

OUTROS POSTS

CORAL DO IBEU na cerimônia de abertura da exposição “Caminhos da Independência”, realizada pela Fundação Biblioteca Nacional

Criado em 1962, o Coral do Instituto Brasil-Estados Unidos, IBEU, tem como objetivo desenvolver a percepção e a habilidade musical de seus integrantes, bem como...
31 outubro, 2022

Catálogo – 1º Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online

A 1ªedição do Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online foi lançada com o objetivo divulgar a produção contemporânea de arte brasileira realizada em 2020,...
20 abril, 2021

Vicente Brasileiro | Artista participante do 1º Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online

Até onde a vista não alcança Fotografias digitais em papel Hahnemühle 50x37cm | (2020) Vicente Brasileiro (@brasileirovicente) é artista visual, vive e trabalha em São...
22 fevereiro, 2021

Thomaz Meanda | Artista participante do 1º Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online

Morte residual Tríptico – Lápis dermatográfico s/ papel brilhante 60x146cm (2020) Thomaz G. Meanda (@thomazgmeanda), paulista, vive atualmente na capital de São Paulo, atua nas...
22 fevereiro, 2021

Sandra Gonçalves | Artista participante do 1º Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online

  Pandemia 1 – Série Limbo Fotografia Digital s/ papel algodão | 100x100cm (2020) Sandra Maria Lúcia Pereira Gonçalves (@@sandragoncalves) nasceu no Rio de Janeiro...
18 fevereiro, 2021

Rodrigo Westin | Artista participante do 1º Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online

  Mais uma, menos uma. Série Vazios da quarentena Técnica mista sobre tela | 20x30cm. (2020) Rodrigo Westin (@rodrigowestin) é Doutorando em Artes Visuais –...
18 fevereiro, 2021

Teste seu Inglês grátis

O IBEU te ajuda a saber e a traçar o melhor
caminho para o aprendizado

Teste seu
Inglês grátis

O IBEU te ajuda a saber e a traçar o melhor caminho para o aprendizado